DORSAL ATLÂNTICA: Campanha do disco "Canudos" no Catarse


A banda vetarana DORSAL ATLÂNTICA iniciou um projeto para captação de recursos para a gravação, prensagem do seu novo álbum intitulado "Canudos". Segundo os cariocas se trada de uma Ópera Thrash, uma releitura da história do Brasil. Para saber mais de disco e de como ajudar, acesse: catarse.me/dorsal_canudos

Sobre o Projeto:
Pelos valores atuais de dezembro de 2016, são necessários 30 mil reais para financiar ensaios, três semanas de estúdio de gravação, mixagem, masterização, prensagem no formato do CD 'Imperium' (lançado em 2014)  e envio pelo correio.

Temática do álbum CANUDOS
CANUDOS foi o grande assunto nacional entre os anos de 1896 e 1897 do século XIX. Uma cidade de excluídos sociais erguida no interior da Bahia sob o comando do religioso Antonio Conselheiro. Os jornais das capitais falsamente alardeavam que Conselheiro recusava-se a aceitar o novo regime republicano - há meia década no poder - e que insuflava seus seguidores a não aceitarem as novas leis que seriam contra Deus. Pelos raivosos textos da imprensa parcial, Antonio seria apenas ignorante monarquista que preferia Deus à modernidade. O Conselheiro, homem sábio, percebia que a mudança de regime, a troca de líderes, em nada melhoraria a vida do povo. A República havia sido imposta pelos militares sem o conhecimento ou aprovação do maior interessado: o próprio povo! Antonio acreditava que se a coisa já estava ruim, ficaria ainda pior na mão dos radicais que até haviam pensado em fuzilar o Imperador D. Pedro II.

Após os canudenses serem massacrados pelo Exército, Canudos foi esquecida. Sua história eternizou-se quando o escritor Euclides da Cunha lançou o livro os Sertões em 1902, meia década após o fim dos conflitos. Escrevi sobre Euclides na primeira composição do CD 2012. Deste livro de Euclides extraio algumas reflexões e análises porém foco nos personagens. Atento aos apoiadores diretos de Conselheiro e denuncio a retórica e o discurso do opressor que continua a mesma, mais de um século depois.



0 comentários: